7 de abr de 2010

Muita honra para uma pobre marquesa

No dia que fui apresentada ao Cesar Giobbi, no comecinho da década de 90, disse a ele que a sua coluna era o meu PROCON. A página Persona no Estadão, era a primeira leitura de muitos figurões e intelectuais que conheço. Não foi como muitos pensam, uma coluna de variedades e vaidades, acho que foi ele quem modificou o colunismo social antigo introduzindo assuntos políticos, de meio ambiente e, especialmente, - daí a minha grande admiração a ele, de responsabilidade social e de defesa da cidade denunciando maus tratos e mau uso do dinheiro público, sempre tomando posições muito claras e corajosas. Agora, quando a minha indignação está chegando a níveis perigosos e babantes de loucura, com a falta de hombridade e vergonha na cara do PSDB e aliados que se calam diante da injustiça que foi pregada no governo de Fernando Henrique, alguns até o escondendo para ganhar votos, se esquecendo que o mundo é redondinho e que nessa altura das nossas vidas o que a gente mais quer é justiça no juízo final e na história, e isso, aposto meus 10 dedos, será feita, com ou sem defesa. Mas, pensando no presente, a única voz que eu saiba que se levantou em defesa do meu presidente Fernando Henrique, foi o Cesar, numa corajosa nota na sua coluna www.cesargiobbi.com.br/notas/ VIVA FHC no dia 4. Não comentei isso antes porque achei que é assunto pra gente grande e eu,parodiando o meu presidente que se disse um pobre marques no artigo de domingo passado no Estadão, não pude deixar de lembrar da minha querida tia avó Tita que brincava dizendo “quanta honra para uma pobre marquesa”. Como eu sou pobre e não sou marquesa, e sou metida e tenho fama de louca, ouso aqui falar de dois grandes homens que admiro.
xoxo

2 comentários:

Anônimo disse...

Fama de louca? Imagiiinaa!!!!

Renata disse...

Pituca, aqui é a Renata do Frango com Banana (adoro me apresentar assim!). Caí aqui depois de ver sua mensagem no blog e adorei seu blog. Li todos os posts, dei risada, li alguns trechos em voz alta para o marido arquiteto e nem achei que você não sabe usar vírgulas! Sou jornalista como sua filha e acho que você nem precisa de revisora!

Olha, amei a história das crianças que não pegaram micose no Trianon.. Tenho uma filha de 1 ano e sempre penso que, quando criança, eu amava brincar na areia de construções! Tem coisa mais porca? Mas também nunca tive micose...

Bom, a minha vontade é ficar aqui, que nem louca, escrevendo sobre tudo que gostei no seu blog... Adorei imaginar vc num chat com a turma de 16 anos e seu teclado cheio de rímel! hahahaha Mas só vou dizer mais uma coisa: vou voltar sempre.

Bjs e muito prazer.

Ah, última coisa: Minha filha se chama Lorena, mas a chamo de... Pituca!