29 de ago de 2011

A minha neta

 O pai da minha neta é o meu sobrinho, o artista Quim Alcantara http://quim.com.br/ . Eu não contei ainda da Mariana, que nasceu no dia 13 de julho, porque fiquei e, ainda fico, com medo de banalizar esse sentimento, que é o mais forte do mundo. É um amor tão visceral, tão avassalador que qualquer palavra é pouca e soa piegas. E pieguice é uma coisa que passa longe do filho do meu irmão Juca, que morreu há nove anos, dois meses depois do meu pai. Esse menino é tão palhaço que no dia em que ela ia nascer li no Facebook: "Mariana eject"! Mesmo morrendo de rir com a piada idiota, fiquei furiosa de ficar sabendo do nascimento desse jeito. Era precipitação de pai; ela só nasceu no fim desse dia e eu fui avisada na mesma hora, ainda bem. Já fui vê-la várias vezes, só não vou todo dia porque a Karen,minha nova sobrinha,não é minha nora (que a Paulinha não me leia, hahaha). Ontem fomos lá eu, as meninas e a mamãe, bisavó pela primeira vez, justo do neto que ela descaradamente mais ama e que não por acaso é filho do queridinho dela, o Juca. Pode parecer ciúmes eu falar assim, mas juro que não é. A mamãe nega de pé junto, mas é até engraçado, e eu apoio esse amor escandaloso dela, afinal, também sou assim. Com a Mariana ela está mais contida, acho que ainda não assimilou direito a bênção que caiu nas nossas vidas. Ontem a Mariana estava muito chorona ao ponto de os pais de primeira viagem empiricamente descobrirem que ela se acalma quando o exaustor do fogão é ligado: o barulho é igual ao do útero. Como eles sabem isso, não me perguntem. Como o apartamento deles é todo estiloso, com a cozinha aberta para a sala, fiquei sentada ao som do exaustor e ela dormiu gostoso por uma meia hora - delícia das delícias aquele cheirinho e aquele narizinho arrebitado. Quando ela começou a chorar novamente, eles experimentaram uma cadeirinha, tipo bebê conforto, que é motorizada - lá ela também dorme melhor. Como continuava chorando, o Quim, com a cara mais séria e deslavada, disse que ia colocar a cadeirinha em cima do fogão, ao que a Isabel completou - "melhor ligar o forno, assim também fica quentinho". Estamos todos apaixonados. A Karen e o Quim, mais que isso, estão fascinados com a filha linda, mas, mesmo assim, esse meu sobrinho não perde a piada.










17 de ago de 2011

Minhas viagens pelo mundo

Não sei bem porque mas o Polyvore,além de ser site de imagens, também é de relacionamento. É muito mais de moda do que decoração, as meninas de lá são fissuradas,especialmente as do leste da Europa. Tenho algumas amizades virtuais, duas delas, uma da Finlândia e outra da Itália,  deixaram comentário aqui no blog, até instalei o Google Tradutor para elas, hahaha, que modesta que eu sou! Marijana, minha amiga croata, me acendeu a curiosidade por aquele lado do mundo e fui  fazer uma visita virtual ao belo país dela. Absolutamente viciada no Google Earth, já cheguei a passar noites inteiras vidrada na tela do computador. Quando descobri esse site, meu pai tinha morrido há pouco tempo e eu nunca deixei de lamentar ele não ter conhecido essa ferramenta. Eu e meus irmãos herdamos dele a mania de mapas, uma vez, há uns vinte e muitos anos ele foi à EMBRAPA e comprou uma fotografia aérea e nela localizou a fazenda, claro que usando as coordenadas geográficas, porque é uma foto imensa ,deve ter mais de um metro quadrado, a Gogó e Pimpa emolduraram e lá ele marcou o perímetro com uma caneta dourada, embaixo no passepartout escreveu uma estrofe de Camões que ele conhecia profundamente. Eu só achei para aqui postar, graças ao meu querido Google, meu pai ia na raça mesmo:

“No mar, tanta tormenta e tanto dano,
Tantas vezes a morte apercebida;
Na terra, tanta guerra, tanto engano,
Tanta necessidade aborrecida!
Onde pode acolher-se um fraco humano,
Onde terá segura a curta vida,
Que não se arme e se indigne o céu sereno
 Contra um bicho da terra tão pequeno?”
 Afff, essa minha avançada esclerose!! Pulei do Leste Europeu para a fazenda em Miguel Pereira sem nem saber onde pus as vírgulas, melhor voltar ao assunto. Escarafunchei a Croácia, Macedônia, Grécia, Turquia, assim aleatoriamente, pulando de uns país ao outro, sempre consultando a Wikipédia. Não sei se vocês conhecem, mas ultimamente os recursos desse site estão tão sofisticados que, nas grandes cidades, é possível ver um chiclete jogado no chão. De matar de tão fascinante! Nesses meus dias de repouso, onde o teclado fica difícil de alcançar, mas o mouse não, passo, de novo, horas e horas viajando pelo mundo. Semana passada, depois de assistir um filme lindo sobre a guerra, quis saber mais sobre o gueto de Varsóvia. A cidade é bonita, tem um centro, a Cidade Velha, murado desde a Idade média, e tudo isso em 3ª dimensão. Da Polônia fui parar em Berlim, cidade que não conhecia até então. Hoje posso dizer que conheço melhor do que a Angela Merkel, da periferia onde estão as casas milionárias, providencialmente censuradas pelo Google,até o centro, vi e entrei no Pergamon, vi as igrejas destruídas pelas bombas na guerra e com as ruínas preservadas,e a reconstrução do lado oriental, a cidade é um canteiro de obras, com o bom gosto de não copiar o que foi destruído, apenas restaurar com os recursos de hoje. O Portão de Bradenburgo, que emoção! A cúpula do Reichstag que, destruída na guerra, foi restaurada por Norman Foster, o arquiteto queridinho da Isabel que considera Berlim a cidade mais linda da Europa. Acho que eu também.Vou já para lá. Quando eu voltar vou contar sobre as últimas do Facebook, a comunidade do Colégio Assunção e o reencontro com a BibaArruda.
  1. P.S. Esses links eu pus meio de bobeira, só pra mostrar que eu aprendi mais esta. As fotos também. Na internet-google tem linksmaravilhosos, muito mais completos , coloquei os mais fáceis pra mim.'
  2. Pedi por e-mail pra Luisa dar uma corrigida antes de postar, mas não por sei onde ela anda, pra variar, vai assim mesmo.

14 de ago de 2011

Pra não dizer que não falei de flores

Faz um tempão, desde o dia do Beirutaço organizado pelo http://www.leocoutinho.com.br/ , sucesso como tudo  que esse menino faz, que não saio de casa. Isto é, naquele sábado tivemos um jantar organizado pelo professor Cristiano Aretz da turma do INDAC dos anos 60 e 70 na chiquérrima casa da Tetê Noschese. Aquela noite renderia um post de tão maravilhosa que foi, qualquer dia eu  tento contar. Este dia  tão perfeito foi a minha saideira da vida real, depois disso minha hérnia inflamou de novo. Descobri uma fisiatra maravilhosa que me diagnosticou uma fibromialgia também. Ai ai, dizem que o chato é aquele que ao ser perguntado como vai, responde. Para que isso não grude em mim, me recolhi à "minha insignificância", repetindo uma das frases que a Vovó Lourdes usava para se referir aos outros, claro, nao a ela,hahaha!! e me enfiei no meu quarto lendo, vendo tv e brincando de Polyvore, aquele site de imagens onde eu brinco de  ''decoradeira''. Faço isso na minha cama, com o lap top na barriga,  com o  braço esticado, uso o mouse- ja quebrei vários,  agora parti para um sem fio, nao deito  mais em cima dele, em compensação, derrubo no chão toda hora. Esse brinquedinho mais o delicioso Facebook  e o Twitter, me conectam com o mundo. Pelo menos ando mega bem informada. Hoje me deu saudade do blog, na falta de assunto vou mostrar umas brincadeiras que fiz.
980Sem títuloSem título
beijos
P.SVou tentar explicar um pouco como faz: essa estante estava quase vazia, os livros, móveis, tapetes a gente vai arrastando com o mouse e ajustando o tamanho. Uma delícia!!! Acho que esse link é o meu: http://www.polyvore.com/cgi/home?id=761272 ( ô idade que não me deixa aprender esses segredos todos da informática)só que pra ver o meu trabalho tem que se inscrever, lá eu sou a mariacecilia.