30 de abr de 2010

No atelier de Gogó e Pimpa


Todo blog que se preze, os “mulherzinha”, fique bem claro, tem uma sessão de serviços. Eu que adoro fuçar a cidade e a internet, sempre tenho boas dicas, mas existe tanta gente bacana escrevendo sobre isso que nem vou tentar entrar nessa seara. O que eu vou fazer é mostrar o trabalho, as artes, as coisas bacanas que os meus amigos fazem. Começo mostrando o trabalho das minhas irmãs, Gogó e Pimpa. Como elas ainda não tem site (faz uns 5 anos que escuto dizer que já já vai ficar pronto) e estão de mudança de atelier, estou sem alguns dados, tipo, onde foi que a Pimpa estudou - sei que foi em Bruxelas, numa escola bacanérrima que a Lelli Bragança indicou. A Gogó não fez curso nenhum de desenho, ela é advogada, começou a trabalhar com pintura quando a Lelli se hospedou na casa da minha mãe para fazer um trabalho em São Paulo e ela estava em férias, como já era cobra em desenho sem nunca ter sido profissional, acompanhando e ajudando a amiga, pegou jeito pro negócio, o Sig Bergamin gostou do trabalho e daí por diante ela deixou de ser uma ilustre causídica para ser pintora de paredes. A Pimpa entrou em seguida,mas primeiro passou um tempo na Bélgica estudando. Não sei quanto tempo faz que elas pintam, deve estar beirando uns vinte, dada a velhice que nos acomete. Eu roubei essas fotos do Facebook delas, espero que vocês gostem.

Ha! esse trabalhoque elas fazem se chama tromp l´oeil que quer dizer alguma coisa como enganar a vista.
Nessas fotos que eu acabei de aprender a colocar no post mas ainda não sei como fazer  pra centralizar, é tudo pintura, a estante o bar, as garrafas, os quadros, tudo  de mentira, esse cachorrinhos também, o rodapé da parede onde foram pintados passa no meio do focinho do cachorrinho cinza. legal, né?
beijos

29 de abr de 2010

Cadê o meu direito de consumidora?

Acho que todo mundo sabe que eu sou a maior pão dura do mundo. Odeio pagar juros, mesmo que sejam centavos. Com o celular, também sou a maior regulona. Fiz final do ano passado um plano de 100 minutos que me dá de graça os torpedos que quase não uso porque não enxergo e porque meu dedo é muito grande para a tecla. Os finais de semana e depois das 20 hs ,também sem pagar. Lógico que eu uso muito mais o que é grátis. Me vingo da Vivo, falo um tempão quando não pago. Como estou sem trabalhar e fico em casa o dia inteiro, esse celular que eu nunca sei aonde está porque nem a minha cabeça eu sei onde fica, é raramente usado. A conta depois de um estresse no primeiro mês, tem vindo certa, nunca ultrapassei os minutos e, vivia feliz e contente com a operadora. Imaginem que ontem chega a minha conta- quase desfaleci, horas e horas cobradas. Hoje me enchi de coragem e, por uma hora e 25 minutos, falei com a Vivo que tirou esse erro. Meno male, né? Quando a mocinha me dá o valor, vejo que os minutos que eu ainda teria que pagar, estavam dentro do plano. Para ela estornar, eu teria que esperar mais ou menos o mesmo tempo. Desisti, mas tou com essa coisa entalada, imaginem que: se cai a ligação enquanto você espera que consultem e resolvam seu problema, a ligação primeira é perdida. O consumidor perde um tempo enorme e a operadora também, se quando a primeira ligação caiu, o processo tivesse sido salvo com um protocolo ou nome do atendente, a Vivo também teria economizado uma hora e 25 minutos do seu tempo.

Desabafo feito, e não por acaso, estou saindo para o lançamento da segunda edição do livro, Planos de Saúde: a ótica da proteção do consumidor, da minha prima que me enche de orgulho e que cita meu nome nos agradecimentos, Maria Stella Gregori, professora fera de direito do consumidor. Ela que vai me dizer se vale a pena ou não eu brigar mais um pouco com a Vivo.

Hoje tou chata, né? Mas ser dona de um blog também tem essa vantagem, você escreve e desabafa.

beijos

28 de abr de 2010

so me arrependo das coisas que fiz.

Ontem a tarde conversando e dando maus conselhos pra minha sobrinha Julia, disse que eu soh me arrependia das coisas que fiz. Ela riu achando que eu tinha errado a frase. Logo eu que odeio frases feitas. Me expliquei dizendo que fiz tantas bobagens na vida, nao vou aqui falar quais foram porque uma coisa que eu me esforco para nao sentir, eh culpa. Acho que a gente faz aquilo que aguenta, entao, as coisas que nao fiz, foi porque eu na verdade nao queria fazer. Ainda bem que tem coisas que ainda dah pra corrigir. Mas o mais engracado foi que enquanto eu tentava arrumar meu computador que anda com um fio fora do lugar e comecar a escrever, recebo um aviso que a minha "idala", a escritora Ivana Arruda Leite tinha acabado de postar no imperdivel www.doidivana.wordpress.com
uma cronica chamada Madalena Arrependida, uau!! escrevi na mesma hora pra ela ( faz uns 15 minutos), ainda nao tive resposta, mas como sofro de siricutico, nao vou esperar porque tenho certeza de que ela nao vai achar que "colei".
Continuo sem o meu computador, escrevo do lap top da Luisa que nao tem acentos, nem cedilhas. Acho que vou adotar esse aqui, uma boa desculpa para os meus erros, pena que aqui tem virgulas, se nao tivesse, seria melhor desculpa do mundo.
beijos

27 de abr de 2010

As cidades de São Paulo

Eu conheço razoavelmente a cidade de São Paulo, adoro ir atrás de endereços e fábricas e nas muitas campanhas que participei fui até os fundões da cidade. Acho que dá pra dizer que conheço desde as franjas , como os políticos gostam de falar, até os "jardins". Aliás, tenho uma solene implicância pelo termo jardins para falar desse miolinho central onde ficam os jardins Paulista, Paulistano, América, Europa e....acho que só. Vai lá pra zona sul ver quantos jardins tem, não só na sul, nos quatro cantos da cidade tem um monte de bairros chamados jardim alguma coisa. Porque essa mania mais ou menos nova de chamar da Consolação até o Itaim Bibi de jardins? Eu arrisco dizer que é porque quando você está na Av. Alcantara Machado, ou na Francisco Morato as placas de sinalização falam em jardins. Então tá! a CET manda até na nossa língua hoje em dia.
Mas eu para justificar bem o titulo do meu blog, andei pela cidade inteira só pra contar uma coisa interessante e nova para mim. Minhas irmãs e sobrinha estão abrindo um atelier num jardim qualquer coisa que agora não me lembro o nome, mas que fica entre o Morumbi e a Francisco Morato. Eu fiquei mais uma vez embasbacada com a cidade de São Paulo, subo a avenida Morumbi onde temos uma simpática e bonita igreja, casas impressionantes de arquitetos como Paulo Mendes da Rocha, a linda casa na encosta de Clovis Mello Olga, e muitos outros que com suas belas obras fizeram o bairro do Morumbi e Cidade Jardim ficarem lá pelos anos 1960/70 com a fama de bairro nobre. Virando a direita na avenida, ainda dentro de um bairro super residencial dou de cara com a TV Bandeirantes e logo em seguida o Hospital Darci Vargas, referência de hospital público. E as casonas continuam, mas vão mais ou menos mudando de feição, parece que entrei no Epcot Center ou então estou em Paris do Século XIX e comecinho do XX com casas imensas de estilo neo neoclássico, com suas calçadas enfeitadas por tuias altíssimas. De uma hora para outra, sem sinalização nenhuma, caio num delicioso bairro comercial que parece uma cidade do interior. Parece, não, é! É igualzinho, só falta ter uma prefeitura, câmara municipal, igreja e praça que vai ver, até tem, eu é que não descobri ainda. E dai passei o dia pensando na delícia que é a diversidade dessa cidade cruel e desumana, mas que eu amo com todas as minhas forças. Essa cidade ainda vai ter um prefeito que a respeite e a ame como eu. Me aguardem.
beijos

25 de abr de 2010

pra começar a semana


Que tal uma semana com chuva bastante pra apagar a poluição, mas que seja sem enchentes. Na estiagem um arco íris, e no final dele uma 2.55? Já que o pote de ouro é uma simples lenda?
beijo

Pra não passar em branco

div>64Brasil
64Brasil por maria cecilia usando Basile scarves

Domingo em casa, dia gostoso, leitura em dia, papo também, muitos reencontros, telefonemas e surpresas queridas, mas também muita falta de inspiração. Para não passar o dia em branco, mostro aqui um trabalho no Polyvore onde ganhei o 1º lugar, é mole? Tou ficando tão metida, aiai , como gosto dessa internet
beijo e boa semana

24 de abr de 2010

Voltando do hospital

Acabo de voltar de umas feriazinhas forçadas no hospital. Meu marido que se recusa a admitir que o problema seja consequência da sua provecta idade, foi operado de duas hérnias ínguais bilaterais, acho que é isso. Como a médica que o operou tem mãos de fada, ele nem pode fazer muita fita dizendo que doía, já está em casa, ótimo, pronto pra outra.

É tão bom estar de volta, desarrumar a mala, guardar tudo e vir correndo para a internet. Eu levei o lap top da Luisa para o hospital e no primeiro dia, enrolei bem a língua, depois de confirmar que lá tinha wi fi, pedi com um sotaque mais perfeito que o do Sean e da Cely, um password e um login. Mais ou menos prontamente, fui atendida, mas quem disse que eu soube conectar? Pois é! Só a noite a Isabel me ensinou, mas o sinal era fraco e acabou que não vi internet. Chego agora e vejo tantas mensagens queridas. Imaginem que o www.http://leo.coutinho.blog.uol.com.br/, um dos escritores mais talentosos dessa nova geração escreveu falando do meu blog. Estou um poço de convencimento, outro dia reclamei do André que nunca escreveu no meu blog, mas no do Leo toda hora. Muito gentil, me respondeu  que era porque ele é Rodriguiano e escreve muito melhor do que eu. Pois agora, recebo uma crônica que fala em mim. Que delícia!
A minha cortina continua com a barra firme e forte, mas só mais uns dias, vou levar numa costureira para fazer um acabamento decente.
beijos e beijos
P.S. Resolvi abrir o Gmail que nunca uso e lá encontro várias mensagens super simpáticas sobre o meu blog e uma notícia triste. Vou começar a usar esse endereço também, não quero deixar de agradecer a ninguém pelo carinho de recados tão queridos. Viu, Andre????

20 de abr de 2010

Siricutico

Outro dia falei pra Cely que eu tinha siricutico e ela morreu de rir, dizendo que fazia tempo que não ouvia esse termo. Pois é, mas eu tenho sirucutico, sofro bicho carpinteiro e quase enlouqueço minha família com minha ansiedade. Hoje precisei voltar à cidade, fui na Sub buscar um papel para meu imposto de renda que, infelizmente, não estou mais pagando. Foi rapidinho, peguei o tal e fui subindo pelas escadas, parando nos andares pra matar a saudade dos meus queridos amigos que lá deixei. Não vi todo mundo, eu estava com pressa porque ia pegar uma carona com a Isabel então desci e fiquei no calçadão da Alvares Penteado que tanto adoro, esperando as ordens dela. Ela liga dizendo que ia demorar uma hora ou mais. Eita, as pessoas estavam trabalhando, não ia voltar lá, então, desço a rua General Carneiro que, para minha surpresa tinha bem menos camelôs do que eu me lembrava e entrei naquela rua que eu amooooo, a 25 de março que também estava inexplicavelmente mais vazia. Aproveitei e fui andando por ela até a esquina dos Armarinhos Fernando e entrei na Abdo Shaim, lá almocei no Jacoh, uma delicia de comida árabe, um pratão por 12,00 e de lá fui até o Aladin, uma loja de tecidos para decoração que tem preços fantásticos. Como estou querendo mudar a minha sala, fui lá sapiar enquanto esperava a Isabel. Não consegui definir o que quero, mas aproveitei e comprei um blackout para o meu quarto porque o forro estava em tiras. Manda a lógica e o bom senso que você mande esse tecido para uma costureira. Como eu não conheço essas palavrinhas, num acesso de surucutico, resolvi eu mesma virar cortineira. O tecido é um gorgorão na frente e no avesso borracha. Cortei mais ou menos direitinho e com cola de contato, fiz uma barrinha. Da cortina velha tirei os cadarços e costurei com as argolas e em menos de duas horas meu quarto estava novo. Pena que a barra ficou muito comprida, mas nada que uma fita crepe não desse um jeito. Sei não, ficou tão boa minha cortina que acho que vai ficar assim pra sempre. Conforme for, oferecerei meus serviços de cortineira também. Ter um blog é bom, a gente pode fazer propaganda de graça, o que eu preciso é de mais leitores.

beijo
P.S.     Esses dicionários são tão analfabetos que não sabem o que é surucutico....tsc
P.S. 2  Mais analfabeta ainda sou eu que escrevi surucutico quando o certo é siricutico, ainda bem que a Maiá e o Renatinho me corrigiram.

19 de abr de 2010

Industria de Multas


Existe coisa mais odiosa do que levar uma multa? Existe sim- é levar uma multa por burrrice!
Estava eu naquela rua que adooooooro lá pelos lados do Bom retiro quando vejo um carro saindo de uma vaga, dou uma seta, esperei ele sair e entrei bonitinho, sem grandes manobras nem nada. Coloquei um cartão de zona azul e saí batendo perna até que venceu a primeira hora, voltei ,coloquei o segundo e quando volto, uma hora depois, uma multa no parabrisa. Eu estava a uns 10 metros de uma placa de Zona Azul, como é possível a multa? Vou contar, uns 20 metros atrás do meu carro tinha uma placa dizendo que era vaga de cartão marrom, carga e descarga. Grrrrr não dá nem discutir, o erro foi meu, mas sacanagem, a placa devia ser na frente e não atrás, né? Tenho impressão que a CET faz essas pegadinhas de propósito. Agora ainda vou levar bronca porque não presto atenção. Droga!

Brechó


Esssas são as duas bolsas que comprei ontem. Não são lindas? Tou até com remorso pelo que paguei, fui ver o preço de uma nova no site, credo! custa mais caro que meu guarda roupa inteiro, meu, das minhas filhas,  ah! pode por meu carro nessa conta também.
Sei não mas acho que essa ideia de um brechó pode  dar certo. Só estou esperando as fotos pra mostrar pra vocês o que ela tem de bacana .
xoxo

18 de abr de 2010

Minha dupla personalidade

Eu falo brincando, mas no fundo deve ser verdade - "tenho dupla personalidade."
Uma vez, há muitas e muitas campanhas atrás, acompanhando o Fabio Feldman, candidato a prefeito, num fundão da cidade, o Sales, querido amigo, quatrocentão,militante das antigas, hoje no primeiro escalão, para me amolar me pergunta: O que uma burguesa sente andando numa periferia? eu respondi na lata - como vou saber? não sou burguesa. Não? como não? ele retruca, e eu, com a cara mais empinada do mundo digo, -Não faço idéia mon cher ami, eu sou uma aristocrata, como posso saber o que a burguesia sente? uahauhauha repeti essa piadinha mais duas vezes, na última, pra dar mais veracidade, falei da vovó baronesa, sem ficar nem vermelha e mandei irem consultar o Silva Leme ( historia da nobiliarquia paulista). Isso tudo pra contar que eu, pobrinha, que sempre me vesti na Zepa e nas cestinhas de ofertas, sempre adorei e cobicei algumas marcas. Eu penso em moda como uma obra de arte, que custou muita pesquisa, materiais especiais e especialmente muuito talento. Tem algumas coisas que sempre sonhei ter mas deixei para uma próxima encarnação, nesta, me contento com meu guarda roupa virtual do Polyvore. Falsificações perfeitas, já vi muitas, quase cai em tentação mas, costumo dizer, - de falsa, chega eu. Ou tenho de verdade ou não tenho. Pois não é que hoje, visitando uma queridinha minha, compradora compulsiva das marcas mais bacanas, com um closet quase igual ao da Carrie Bradshaw ,encalacrada com as ultimas compras que não cabiam mais nem no armário nem no cartão de crédito, resolveu fazer uma sessão desapego e eu, acabo de virar uma feliz proprietária de uma bolsa Gucci e outra Jimmy Choo, um pouco detonadinhas, mas, com um sabão de coco e muito préstimo, deixei novas em folha. O cartão de autenticidade vou mandar enquadrar. hehehe
Brincadeiras a parte, tudo isso para dizer que conversando com ela, tivemos a idéia de fazer um brechó no meu blog, eu faço o anuncio, a negociação fica por conta das partes. Não é uma boa idéia?
xoxo

17 de abr de 2010

Esclerosada, eu?

 Ontem a tarde, depois do cinema, olhem só quanta vagabundagem, sentei no café do club com minhas queridíssimas irmãs Prandini e o Chico, casado com a Leila. Foi super divertido, rimos muito e eu contei pra ele, acho que pela primeira vez nessa década, há 20 anos já tinha contado e ele não lembrava, depois dizem que eu sou velha, que ele tinha estudado no liceu Eduardo Prado com a minha melhor amiga, Dora, com a Zélia Cardoso de Melo e que nós tínhamos assistido Roda Viva juntos. Ele ficou embasbacado com minha memória. Oh!!! mas isso foi em 67, 68, pois é, foi ,e eu me lembro como se tivesse sido ontem. Me lembro até do esquenta que fizemos num prédio na alameda Casa Branca, casa de uma das meninas. Uau!! que memória, e bla bla blá bla , beijos até amanhã e fomos embora. Sai de lá, passei na casa da Carminha esperando Luís Augusto que ia me buscar e contei pra ela essa história, daí, fomos além nas nossas lembranças da segunda metade do século passado. Como nós estamos bem, que memória boa, vamos demorar pra ficarmos esclerosadas, que bom! Pois não é que hoje, fui num monte de lugares e acabei o dia na casa da minha mãe onde, para minha surpresa e alegria, apareceu o André, meu filho que vejo pouquíssimo. Conversa vai conversa vem, ele fala de um primo. Póimmm levei um soco no peito. Esqueci do aniversário dos filhos da Maria Teresa, querida sobrinha, na verdade do meu marido, mas que eu amo tanto como se fosse minha. Como eu pude esquecer? Quase tive um troço, sai da casa da minha mãe correndo e vim pra casa pra ligar pra ela. Meu marido também quase enfartou de novo por ter esquecido. Liguei e falei a verdade - eu esqueci completamente. Quem falou que a esclerose não ia me pegar? Pois é.
Beijos

15 de abr de 2010

Sex and the city 2

Existem tantos filmes sérios, tantos blogs que tratam do assunto, e eu aqui a falar bobagens, mas como transito pela globosfera e amo tudo o que as it girls amam, também estou louca, roendo as unhas esperando o dia 28 quando vai ser lançado o Sex and the City 2. Quando o seriado passava na NET, eu assinava a TVA e não podia ver. Só escutava a Carminha e Cely comentando e ficava morrendo de curiosidade. Quando lançaram os DVDs, vi tudo de uma vez só, e daí entendi o fascínio das duas. Eu me recuso a pensar que o seriado acabou, como tenho alguns DVDs, sempre acho que as quatro estão ali ainda e que envelhecerão ao meu lado, basta eu querer vê-las, me sinto a própria Rosa Púrpura do Cairo, lembram? Quando fizeram o primeiro filme,fiquei  com medo de perder o encanto,mas fui correndo assistir com a Luisa, chorei, me emocionei e, imaginem, até sonhei com a Carrie e Mr Big.  Agora vem o segundo, obaaaaaa, já faz um tempinho que o trailer do filme está no YOU TUBE, eu não queria  ver para me guardar para o cinema mas,hoje não aguentei, entrei e vi, meio com um olho fechado pra não perder a surpresa que quero ter  no cinema. Não querendo estragar o efeito surpresa mas achando muito egoísmo não dividir com vocês, aqui vai o link :
 Sex and the City 2 - Trailer #2 HD 2010

14 de abr de 2010

MSN até que tem utilidade

Sentei aqui para escrever uma coisa e sabe quando empaca? pois é, empacou. Daí fiquei olhando pra essa tela quando vejo a minha sobrinha Path entrando no MSN. Não gosto mais de conversar nesse aplicativo porque cada dia que passa, escrevo mais errado, meus dedos não obedecem o meu rapidíssimo raciocínio hehe e acabo trocando as letras, além do que o quadradinho é tão mínimo, especialmente o do Facebook, que ao tentar reler o que escrevi errado nem eu entendo nem enxergo. Mas isso quebra um mega galho, imaginem só eu poder papear toda hora com a Path que mora tão longe. Nem dá tempo de sentir saudade. Quer dizer, sentir saudade, eu sinto sempre ,especialmente de quando ela tinha essa carinha aí em cima e ainda não tinha pintado o cabelo com todas as cores do arco íris, tatuado toda a flora brasileira no corpo e nem se enchido de piercings. Mas a Path é única, tem estilo e tem caráter e me dá uns abraços deliciosos ,tem coisa melhor?  Isso  é que vale, e é por isso que eu a amo cada dia mais e morro de saudade. Bem que o msn podia ser em 5D, não é?

Beijos

13 de abr de 2010

Conversa de mulherzinha

Meninos, essa conversa aqui não interessa muito à vocês, se bem que, é sempre bom saberem o que acontece com a gente depois de uma certa idade. Acham que só porque vocês ficam gatos com as cãns grisalhas o resto não despenca? Despenca sim, começando pela vista, ai ai coisa mais irritante que existe é não enxergar né?, a gente acorda, vai correndo pegar o jornal e o máximo que consegue ler é a manchete, a grandona, porque as menores, necas...Como dessas coisas desagradáveis todo mundo sabe, vou falar de uma coisa também horrorosa mas que tem conserto, aí começa o papo mulherzinha - as unhas que enfraquecem e descamam como uma massa folhada, coisa mais odiosa. Pois num desses blogs que eu amo, descobri uma marca suíça chamada Mavala,  http://www.mavala.com/  - é mil! tem um endurecedor de unhas, caro de doer  aqui em São Paulo ,mas que se custasse mil vezes o que custa, assim mesmo valeria a pena. Hoje eu fui na minha querida e maravilhosa dermatologista, Dra Cristiane Gabríades, e ela confirmou que essa marca é bárbara, me mandou continuar usando . Fez também uns procedimentos na minha suave cútis que hoje não vou contar, fica pra uma próxima vez.
beijo

12 de abr de 2010

Burro no pontilhão

Empaquei mais do que burro em pontilhão, faz dias que não consigo escrever mais nada e, como esse blog para mim é muito importante, fiquei matutando no que escrever. Tanta coisa aconteceu nessa semana, desde rever queridos amigos, ter meus sobrinhos almoçando aqui em casa, as surpresas e delícias que o blog e a internet proporcionam até o lançamento da candidatura do Serra. Tá certo que prometi a mim mesma não falar de política aqui, mas vendo o meu amado Fernando Henrique discursando, lembrei dessa historinha que também foi publicada no site ww.saopaulominhacidade.com.br em novembro de 2005. Pensando bem, acho que com o presidente só não fiz xixi porque já era grande. Aqui vai minha historieta:
A televisão nos anos 1950
Na minha infância na fazenda não havia televisão. Uma vez por ano, quando vínhamos para São Paulo, o fascínio da cidade grande só era superado pela televisão. E hoje, passados quase 50 anos, eu me lembro dos debates políticos: Jânio, Adhemar, Auro Moura Andrade...mas o apaixonante mesmo era o circo do Arrelia. Que delírio, que sonho! Uma vez, e parece que foi há 5 minutos, minha tia Gigina e tio Helio me levaram ao circo. Quando o Arrelia pega na minha mão e pergunta "Como vai, como vai?como vai vai vai?" eu fiz xixi de emoção. A vergonha veio depois, naquela hora mágica, eu só via a pessoa mais importante e poderosa do mundo. Pensando bem, acho que era mesmo....

9 de abr de 2010

A cidade

Anteontem fui almoçar na cidade com a Egle e Paulinho. Sim! eu sou do tempo que não se falava centro, era cidade e pronto, todo mundo sabia onde era.
Trabalhei na Subprefeitura da Sé por quase 5 anos e sou apaixonada por lá, adoro andar naqueles calçadões, a Praça da Sé com tantos moradores de rua e camelôs, onde a pobreza gritante dessa cidade mostra sua face cruel em pleno marco zero, mesmo assim é fascinante. Vocês podem me chamar de maluca,mas juro! Amo olhar o Viaduto do Chá da Praça do Patriarca, o comércio popular da Rua Direita e São Bento, ai ai ! que delícia de garimpo. Andar pelos calçadões na hora do almoço é uma farra, montes de gente conhecida, desde os dândis do Club Paulistano, os advogados ilustres da AASP na rua Álvares Penteado, até muitos amigos do PSDB que trabalham nas muitas secretarias. Olhando para o alto, tenho a sensação de estar nos anos 20 ou 30, são prédios maravilhosos, da época onde se sabia construir o neoclássico. Além disso, é na cidade que está a deliciosa balbúrdia que só os loucos como eu, ama - a ladeira Porto geral e a Rua 25 de março.
Fazia um tempão que eu não falava com o Paulinho, colaborador de um site concorridíssimo. Chiquérrimo, foi meu personal stylist , ele que dava o ok para os meus achados, me aconselhou a falar um pouco mais sobre isso, falar mais sobre a minha viagem, as compras, hotéis, enfim, dar dicas.
Sei lá, acho que não são lá muito confiáveis, mas falar da experiência da Disney, acho que pode valer a pena. Fica para a próxima
Beijos

8 de abr de 2010

Um artista na família

Essa é a tela do QUIM pra vocês votarem 10*
Eu tenho um sobrinho querido, querido e querido que chorava tanto quando nasceu que um dia meu pai, com a cara mais séria do mundo falou pra mãe dele:
-Você pode ficar sossegada, esse menino tem alguma coisa!

E tinha mesmo, viu?!
Tinha e tem um talento enorme, é um baita de um artista plástico, pintor, designer etc! Eu vivo falando que vou ser a marchande dele, me aguardem! Logo logo ainda vou montar uma mega exposição .
Por enquanto, uma das telas dele está no Showdown da SAATCHI ONLINE, que é do Grupo Saatchi, do inglês, publicitário e megacolecionador de arte Charles Saatchi, também autor do livro "My Name Is Charles Saatchi And I Am An Artoholic". Chic, né?

Os trabalhos mais bem avaliados irão para a galeria em Londres. Uau!!! Estou com a maior fé, já imaginaram? Acho que como agente dele vou precisar ir a Londres também, vocês não acham justo?
Para que ele seja selecionado, é preciso ter uma boa avaliação, então, vou pedir um favor a vocês, votem 10* na tela no site da galeria!

É super fácil, até eu consegui, é só fazer assim:


A votação acaba segunda feira, dia 12 de abril.

Ah, ele tem um site bem bacana: quim.com.br entrem lá depois vocês me contam o que acharam.
Super obrigada,
Beijos

7 de abr de 2010

Muita honra para uma pobre marquesa

No dia que fui apresentada ao Cesar Giobbi, no comecinho da década de 90, disse a ele que a sua coluna era o meu PROCON. A página Persona no Estadão, era a primeira leitura de muitos figurões e intelectuais que conheço. Não foi como muitos pensam, uma coluna de variedades e vaidades, acho que foi ele quem modificou o colunismo social antigo introduzindo assuntos políticos, de meio ambiente e, especialmente, - daí a minha grande admiração a ele, de responsabilidade social e de defesa da cidade denunciando maus tratos e mau uso do dinheiro público, sempre tomando posições muito claras e corajosas. Agora, quando a minha indignação está chegando a níveis perigosos e babantes de loucura, com a falta de hombridade e vergonha na cara do PSDB e aliados que se calam diante da injustiça que foi pregada no governo de Fernando Henrique, alguns até o escondendo para ganhar votos, se esquecendo que o mundo é redondinho e que nessa altura das nossas vidas o que a gente mais quer é justiça no juízo final e na história, e isso, aposto meus 10 dedos, será feita, com ou sem defesa. Mas, pensando no presente, a única voz que eu saiba que se levantou em defesa do meu presidente Fernando Henrique, foi o Cesar, numa corajosa nota na sua coluna www.cesargiobbi.com.br/notas/ VIVA FHC no dia 4. Não comentei isso antes porque achei que é assunto pra gente grande e eu,parodiando o meu presidente que se disse um pobre marques no artigo de domingo passado no Estadão, não pude deixar de lembrar da minha querida tia avó Tita que brincava dizendo “quanta honra para uma pobre marquesa”. Como eu sou pobre e não sou marquesa, e sou metida e tenho fama de louca, ouso aqui falar de dois grandes homens que admiro.
xoxo

6 de abr de 2010

Polyvore, meu melhor vício

Essa figura é do vício que me consome horas por dia chamado www.polyvore.com. Não sei explicar direito o que é, mas me falaram que é um editor de imagem. É um site basicamente de moda, que eu adoro quase tanto quanto gosto de decoração, nele a encontramos absolutamente tudo, roupas, bolsas, perfumes, antiguidades, móveis, etc. A gente pega uma página em branco e vai arrastando as imagens e formando "sets". Esse aí em cima não é o meu melhor, mas é o que mais gosto, primeiro porque sou absolutamente apaixonada pela mademoiselle Chanel e foi um dos primeiros, demorei muito para fazer. Com uma fotografia do apartamento dela no Ritz, tentei copiar com as imagens disponíveis no site que na época não eram muitas e também eu não sabia procurar. Como cada set só aceita 50 imagens que são todas do mesmo tamanho, procurar a proporção e a distância é um quebra cabeça divino. Entrem lá, aposto que vão adorar, o site também é de relacionamento.xoxo

4 de abr de 2010

Pra que que bobo quer dinheiro?

Hoje a tarde, almoçando na casa da minha irmã, meu assunto, como não poderia deixar de ser, era sobre a minha última, e espero, definitiva obsessão: meu blog.
Ao dizer que ainda iria ganhar dinheiro com ele, fui obrigada a ouvir do Cecelo: então acho melhor você arrumar um emprego. É mole? Mas deixa estar Celo, vc ainda vai ver. Dinheiro não vou ganhar, afinal, cresci ouvindo minha mãe repetir uma frase que meu avô dizia: - pra que que bobo quer dinheiro? Eu eu como uma boa boba, não quero, quero mais é me divertir. O que este blog pode me dar de melhor é a delícia de receber um telefonema depois de sei lá quantos milhões de anos, da Dominique e do Binho,e, com eles, ficar horas no telefone. Acabei de desligar e estou aqui me lembrando de quando a gente era muito jovem, ainda não existia a Dô na vida dele que diga-se, devia ser um tédio total. Ele estudava direito e era fã como até hoje ,da Elis Regina. Quando ela morreu eu estava na fazenda e passei o dia todo pensando nele. De amigo do meu irmão Juca, ele ficou meu também, e eu, fã confessa do Cauby Peixoto discutia com ele qual das duas vozes era a mais cristalina. Claro que é uma discussão de quem não tem o que fazer porque são dois artistas tão superlativos que não admitem comparações. O que eu me lembro bem é que uma vez arrastei o Binho para um show na Serra da Cantareira. Depois ele virou um grande advogado, apareceu a Dominique na vida dele e aí sim tudo ficou melhor, ela é a pessoa mais alto astral , inteligente e divertida que eu conheço e agora com nossa reaproximação, nos aguentem Binho e Luis Augusto.
beijos

2 de abr de 2010

Da Galiléia a Holywood

Hoje a tarde assisti na TV um daqueles filmes adoráveis sobre a vida de Jesus,o "Rei dos Reis", uma mega superprodução holywoodiana de 1961.
Eu adoro História, mas durante a minha vida inteira tive a sensação de que na Antiguidade as pessoas eram cheirosíssimas, os cabelos impecáveis e brilhantes, a maquiagem primorosa. As casas pobres muito limpas e bem montadas, os palácios, Ah! os palácios!, nem Versailles chegava no chulé. Como é que foi possível na Idade Média as cidades virarem aquele chiqueiro, com as fossas correndo a céu aberto. o povo desdentado e até os reis e rainhas eram fedidos tomando banho só muito de vez em quando? Nenhuma invasão bárbara me convencia que o esplendor da antiguidade pudesse acabar desse jeito. Hoje entendi. Que pena que a humanidade não foi dirigida por Cecil B. de Mille.

1 de abr de 2010

Aquela mosquinha

Esses dois últimos dias foram tipo "grandes emoções e pensamentos imperfeitos". Eu andava tão longe daquele vírus inoculado em mim quando, ainda muito criança, me emocionei ao conhecer o então governador Adhemar de Barros que foi almoçar na nossa fazenda em Mogi Mirim. Tá certo que essa doença na minha família é atávica. Minha bisavó foi fundadora do partido Liberal e suas filhas, minhas queridas tias avós, guerreiras a vida toda, muitas vezes em campos opostos,especialmente depois do golpe de 64.
Meu avô era do PRP (partido republicano paulista), ai ai, inimigos figadais. Cresci no meio de brigas e discussões entre udenistas e integralistas e mais tarde entre ARENA versus MDB. Lembro como se tivessem acontecido ontem, de fatos e eleições tão históricos e remotos.
Acompanhei de perto todas as eleições que tivemos, antes e especialmente, aí já militando, depois do golpe militar. Fui filiada ao PMDB e em 1990 mudei para o PSDB-que era um partido pequenininho, apesar dos grandes e maiores líderes que o Brasil teve na segunda metade do século terem sido seus fundadores e conviverem conosco fraternamente. O partido era tão pequeno que, imaginem só, tínhamos em São Paulo, apenas 5 vereadores, Arnaldo Madeira, Marcos Mendonça, Paulo Kobayashi, Walter Feldman e Eder Jofre.
Os militantes eram tão poucos que nos conhecíamos pelo nome e nos encontrávamos com muita freqüência. Em 1994 o PSDB ganhou a presidência da república com Fernando Henrique e o governo de São Paulo com Mario Covas. Muitos amigos se tornaram ministros, presidentes de empresas públicas, autarquias, tribunais, enfim: viramos gente importante.
Os meninos da Juventude que eu chamo até hoje de "meus canalhas", agora são vereadores, subprefeitos, vivem saindo nos jornais, e já não são mais tão jovens,o que evidentemente, é pior para mim.
No ano passado me deu um bode tão grande de pensar em política, que nem os jornais eu lia, estava completamente apática na base do "tanto se me dá". Acho que isso começou a acabar ontem, fui ao palácio para a transmissão de cargo do governador Serra. Encontrei tantos e tantos amigos queridos, amigos de uma vida quase inteira, todos emocionados não só com o belo discurso, mas também pela perspectiva de novamente sermos agentes de mudança. Estou de novo na luta mas não vou falar disso aqui, meu blog é lugar de recreio.
Beijos