19 de mai de 2010

Testemunha ocular da história.

Duvido que haja alguém da minha geração que não se lembre do famoso Repórter Esso com o jornalista Kalil Filho e  seu  inesquecível bordão: testemunha ocular da história.Hoje me senti assim. Depois de um   novo  ataque de bicho carpinteiro, ou será carpideiro? Na dúvida, melhor sirucutico. Sem piscar, muito menos pensar, me mandei para o comitê do PSDB para oferecer meus préstimos. Depois fico brava quando me chamam de louca, hehe. Foi muito bom encontrar tantos amigos que apesar da saudade e bem querer, não tenho mais visto. Saí de lá pensando e, de novo, agradecendo a Deus pela minha sorte. Sorte de ter visto de perto e talvez até participado dos grandes acontecimentos do século passado, de ter conhecido e convivido com grandes líderes que escreveram a nossa história e principalmente e especialmente, sorte grande de ser muito próxima do querido José Gregori. A biografia dele é conhecida, o que talvez não se saiba é do tamanho do meu afeto por ele. Tivemos muitas e muitas histórias. Acabo de me lembrar que uma vez, na campanha do parlamentarismo, estávamos em Campinas, ele e o coordenador, que também me honra com a amizade, e,meio desanimados com os rumos que a campanha tomava, andando meio borocochôs por uma rua, ele no meio de nós, nos abraça e fala: "De uma coisa eu tenho certeza, quando a gente morrer, São Pedro vai nos olhar e falar que uma coisa não  faltou a este trio: boa vontade!". Essa eleicao, perdemos, mas veio 1994 com uma vitória tão linda que jamais poderei esquecer. O presidente Fernando Henrique o leva para Brasília, primeiro na comissão de Direitos Humanos, Ministério da Justiça e depois embaixada do Brasil em Portugal. Foram anos de muita proximidade, eu brincava dizendo ser o elo de ligação das lideranças com as bases. Outra qualidade marcante dele  foi nunca perder o pé da realidade. Nunca se fechou em gabinetes, sempre queria saber da gente, os sem poder nenhum,mas que são a base do partido. De volta a São Paulo ele assume a Secretaria Municipal de Direitos Humanos, e, agora  novamente está na campanha. Que bom que eu também. Vou poder ver o meu querido toda hora, tenho sorte ou não tenho?
Essa foto saiu na primeira página do Jornal do Brasil, faz uns 10 anos, levei a maior bronca dele por sair rindo, era um momento muito triste e sério, mas  pensem comigo, aquele batalhão de fotógrafos. Socorro!Fiquei nerbiosa e ri. Como dá pra  perceber, além de sortuda, sou é muito metida.  
Beijos 




                             
                                                                                         

4 comentários:

Pam disse...

Adoro Pituca! beijos

Pat disse...

Pituca! Eu tb quero trabalhar na campanha, lembra?

Anônimo disse...

Parabens, vc adora mesmo! vai ser otimo para vc !
silvia

Anônimo disse...

Tia, amei seu blog. Boa sorte na campanha! Te adoro! Beijos, Bia